Today: Sunday 20 June 2021 , 8:05 pm


advertisment
search




Chico Moniz

Ultima atualização 1 Month 4 Visualizações

Advertisement
In this page talks about ( Chico Moniz ) It was sent to us on 21/05/2021 and was presented on 21/05/2021 and the last update on this page on 21/05/2021

Seu comentário


Coloque o código
  {{Info/Biografia
nome =Francisco Moniz Filho (Chico Moniz)
abl =sim
imagem =Francisco_Muniz_Barreto.png
legenda =O repentista Francisco Moniz Barreto (1804-1868), Francisco Moniz Barreto Filho
nome_completo =Francisco Moniz Júnior
data_nascimento =
local_nascimento=Salvador
data_morte ={{nowrap
local_morte =Salvador
nacionalidade = eiro
cidadania =
escola =Romantismo
ocupação =Poeta
Rabequista
Compositor
Professor
magnum_opus =
prêmios =
assinatura =
Francisco Moniz Barreto Filho (1836, Salvador/BA - 29 de dezembro de 1900, ANNO 80, n.º 362, Jornal do Comércio, (RJ), de 30 de dezembro de 1900. Rio de Janeiro). rabequista, poeta, compositor.

Vida

Filho do repentista e militar baiano Francisco Moniz Barreto (1804-1868) e Dona Mariana de Barros Moniz Barreto, Francisco veio ao mundo em 1836, na cidade de Salvador/BA. Eram seus irmãos diretos, o poeta e médico Rozendo Moniz Barreto (1845-1897),Instituto de Letras e Artes https://ecodosul.furg.br/porautor?id=30:rozendo-moniz-barreto&catid=2 Instituto de Letras e Artes e as Srtas. Cândida Moniz Barreto e Idalina Moniz Barreto,https://books.google.com.br/books?id=yqYNAAAAYAAJ&q=Eu+e+a+dan%C3%A7a+Francisco+violinista&dq=Eu+e+a+dan%C3%A7a+Francisco+violinista&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwju-_PBmMroAhXDnOAKHbiIDWYQ6AEIKDAA Eros Volúsia. "Eu e a dança" - Revista Continente Editorial, 1983 - 186 páginas todos nascidos na Bahia e da segunda união de seu pai, separado da primeira esposa. De seus irmãos, Rozendo sobressaiu-se, tendo vários livros publicados; Francisco, além de poeta, foi um renomado rabequista, entretanto de menor projeção que Rozendo. Idalina https://books.google.com.br/books?id=yqYNAAAAYAAJ&q=Eu+e+a+dan%C3%A7a+Francisco+violinista&dq=Eu+e+a+dan%C3%A7a+Francisco+violinista&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwju-_PBmMroAhXDnOAKHbiIDWYQ6AEIKDAA "Eu e a dança" - Eros Volúsia. Revista Continente Editorial, 1983 - 186 páginas foi apenas doméstica e a filha mais velha, Cândida, dona de uma invulgar inteligência, foi professora e cantora lírica, com grande projeção social na época, sendo convidada para vários concertos nos salões da sociedade baiana de então.https://books.google.com.br/books?id=yqYNAAAAYAAJ&q=Eu+e+a+dan%C3%A7a+Francisco+violinista&dq=Eu+e+a+dan%C3%A7a+Francisco+violinista&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwju-_PBmMroAhXDnOAKHbiIDWYQ6AEIKDAA Eros Volusia. "Eu e a dança" - Revista Continente Editorial, 1983 - 186 páginas O pai de Francisco, o velho Moniz Barreto, era badaladíssimo como cultor das letras, como repentista e glosador.https://books.google.com.br/books?id=yqYNAAAAYAAJ&q=Eu+e+a+dan%C3%A7a+Francisco+violinista&dq=Eu+e+a+dan%C3%A7a+Francisco+violinista&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwju-_PBmMroAhXDnOAKHbiIDWYQ6AEIKDAA Eros Volúsia. "Eu e a dança" - Revista Continente Editorial, 1983 - 186 páginas
Ainda bem jovem, em meados de 1856, aos vinte anos, Chico Moniz, depois de ter feito o curso de humanidades na Bahia, ele partiu para Paris, subvencionado pela Assembleia Provincial,Revista Excelsior ANNO VII, NUM. 107. Novembro de 1936. para dedicar-se ao aprendizado da arte musical. Ele estudou harmonia com Alfonse Dex.http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=890170&PagFis=1364&Pesq=%22MONIZ%20BARRETO%20FILHO%22 "Amphion", Lisboa, 15 de agosto de 1896 - Bahia, 25 de maio de 1896 - J. Barreto Aviz. No Conservatório de Paris, ele tornou-se aluno do professor violinista e compositor francês Jean-Delphin Alard (1815-1888) . isbn=2-04-010721-5 com quem aprendeu o segredo da mais elevada inspiraçãohttp://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=169072&pesq=%22MONIZ%20BARRETO%20FILHO%22 Revista Excelsior ANNO VII, NUM. 107. Novembro de 1936. . Entre os contemporâneos e estudantes daquele conservatório estava Pablo Sarasate e o cubano José White Lafitte (1836-1918), que entre os anos de 1879/89, vivendo no Rio de Janeiro, este último, e protegido pela Princesa Isabel (1850-1921), fundou a Sociedade de Concertos Clássicos, Azevedo, Luiz Heitor Correia de. 150 anos de música no Brasil (1800-1950). Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1956, página 94 e Magaldi, Cristina. Musica para as Elites: Sociedades Musicais do Rio de Janeiro Imperial. A música latino-americana revisitada / Revista de Música Latino-americanas, Impresso pela Universidade do Texas, v. 16, n. 1, 1995, páginas 19-21. devotada à difusão dos clássicos alemães. https://repositorio.unb.br/bitstrearn/10482/7360/l/2010_ZoltarPaulini.pdf Flausino Vale e Marcos Salles: influências da escola franco-belga em obras brasileiras para violino solo
Ele permanece cinco anos em Paris e, em junho de 1861, "Amphion", Lisboa, 15 de agosto de 1896 - Bahia, 25 de maio de 1896 - J. Barreto Aviz. já formado e de volta à Bahia, ele, ao mesmo que dá aulas particulares, é convidado para vários saraus e concertos em diversas casas de espetáculo. A sua estreia deu-se em 26 de setembro de 1866, uma quarta-feira, no Teatro de São José, uma propriedade da Província e o maior da cidade, e cuja conclusão das obras e direção estavam a cargo do Dr. Antônio da Silva Prado. Aquela importante casa de espetáculo, inaugurado em 4 de setembro de 1864, com capacidade para 1200 expectadores, recebeu Chico Moniz, em seu primeiro concerto "Temporal em copo d'água", uma comédia em 1 ato, seguida da "Grande Fantasia", sobre motivos da Opera Ana Bolena e o segundo ato da comédia "Melancolia", ambos com acompanhamento da Orquestra do Teatro de São José, regida pelo maestro Emílio do Lago (1837-1871)Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira e, para encerrar, ele executou o terceiro ato da comédia, "Souvenirs de Bellini".
 
Comentários

Ainda não há comentários




visto pela última vez
a maioria das visitas