Today: Sunday 20 June 2021 , 5:57 pm


advertisment
search




Au clair de la lune

Ultima atualização 4 Day 32 Visualizações

Advertisement
In this page talks about ( Au clair de la lune ) It was sent to us on 16/06/2021 and was presented on 16/06/2021 and the last update on this page on 16/06/2021

Seu comentário


Coloque o código
 
miniatura " "de um livro infantil, .
" " ( , lit. "À Luz do Luar") é uma canção tradicional francesa do séc. XVIII. Seu compositor e letrista são desconhecidos. Sua melodia simples ( ) é frequentemente ensinada a iniciantes no começo do estudo de um instrumento musical.

Letra da música

direitaminiatura400pxAcordes, melodia e palavras
{
"À luz do luar,
Meu amigo Pierrot,
Empreste-me tua caneta
Para que eu escreva uma palavra.
Minha lanterna se apagou
Não tenho mais fogo
Abri-me tua porta
Pelo amor de Deus."
À luz do luar
Pierrot respondeu:
"Não tenho nenhuma caneta,
Estou na minha cama
Vá no vizinho
Acredito que ele esteja lá
Pois na sua cozinha
Alguém está acendendo um fogo."
À luz do luar
O amável Lublin
Bate na porta da morena
Ela responde de repente:
– Quem bate assim?
Ele então responde:
– Abri tua porta
pelo Deus de Amor!
À luz do luar
Mal dava para ver
Procuravam a caneta
Procuravam a luz
Com toda essa busca
Não sei o que foi achado
Mas sei que aquela porta
Fechou-se para eles.
Algumas fontes relatam que "plume" (caneta) seria originalmente "lume" (uma palavra antiga para "luz" ou "lâmpada").
Versão de Dom Marcos Barbosa, "Ao Cantar do Galo", para ser cantado com a música de Au clair de la lune.
Ao clarão da lua
Nasce o Deus menino.
Vamos adorá-lo,
Que é tão pequenino!
Na palha deitado,
Vamos encontrá-lo,
Pois já se ouve ao longe
O cantar do galo...
A Virgem tão bela,
sem nenhum enfeite,
ao que nutre as aves
Irá dar seu leite...
Nós, com nossos cantos,
Vamos embalá-lo,
Pois já morre ao longe
O cantar do galo...
Só porque é pequeno,
Não o adorarei.
Mas vou adorá-Lo
Porque é nosso Rei.
Na terceira missa
Vamos proclamá-lo,
Pois não mais se escuta
O cantar do galo...
Rio, Natal de 1949.

Na música

O compositor francês do século XIX, Camille Saint-Saëns, citou as primeiras notas da canção na seção "Os fósseis", parte da suíte O carnaval dos animais.
O compositor francês Ferdinand Hérold também escreveu um conjunto de variações para solo de piano em Mi bemol maior.
Claude Debussy, compositor da famosa peça "Clair de lune", de nome parecido, parte de sua suíte bergamasque, usa "Au clair de la lune" como base de sua canção "Pierrot" (Pantomima, L. 31) do álbum Quatre Chansons de Jeunesse.
Erik Satie citou essa música na seção "Le flirt" (nº 19) de sua coletânea para piano Sports et divertissements, de 1914.
Em 1926, Samuel Barber reescreveu "H-35: Au Claire de la Lune: um arranjo moderno de uma antiga canção folclórica" enquanto estudava no Instituto de Música Curtis.
Em 1928, Marc Blitzstein orquestrou "Variações na 'Au Claire de la Lune'".
Em 1964, a cantora pop francesa France Gall gravou uma versão dessa música, alterando a letra para formar uma canção de amor.
Em 2008, uma gravação em papel de fonoautógrafo feita por Leon Scott de "Au clair de la lune" em 9 de Abril de 1860, foi digitalmente convertida em som por pesquisadores americanos. Esse trecho de apenas uma linha foi noticiado à época como o registro mais antigo da voz humana, e o registro reconhecível mais antigo de gravação musical. Segundo esses pesquisadores, a gravação do fonógrafo inclui o início da música " ".
Em 2008, o compositor Fred Momotenko compôs "Au clair de la lune" como uma jornada artística de volta no tempo a fim de redescobrir a gravação original feita em 9 de abril de 1860. É uma composição para coro a 4 vozes e áudio surround, apresentado durante o festival de música da Gaudeamus Foundation em Muziekgebouw aan 't IJ . É o segundo vencedor do Linux "150-Years-of-Music-Technology Composition Prize" e o vencedor especial do Festival EmuFest em Roma .

Na arte

Na exposição de pintura e escultura de 1804, Pierre-Auguste Vafflard apresentou uma pintura que mostra Edward Young enterrando sua filha à noite. Um crítico anônimo comentou a natureza monocromática dessa pintura com a letra:
miniaturadaimagem Young et sa fille de Pierre-Auguste Vafflard (1804)
{
À luz do luar
Tudo é azul
Chorai pela desgraça
Desta pobre alma
Ó, sua filha está morta
Não é brincadeira
Abri a porta para ela
Pelo amor de Deus

Na literatura

A revista Ladies 'Pocket Magazine (1824–1840) registra:
De fato, qual deve ter sido o desgosto e o desespero desse mesmo Jaurat, ao ouvir todas as noites os garotinhos de Paris cantando aquela canção "À Luz do Luar", cujo verso era uma feliz lembrança para todos. Cresson, e uma censura pela crueldade do amigo Peterkin, que não abriu a porta ao vizinho quando ele solicitou esse pequeno serviço.
Em suas memórias de 1952, Witness, Whittaker Chambers relembrou:
Nas minhas primeiras lembranças de minha mãe, ela está sentada à luz da lâmpada, em uma cadeira de balanço Windsor, em frente ao fogão da sala. Ela está segurando meu irmão no colo. É hora de dormir e, com uma voz suave e doce, ela está cantando para que ele durma. Estou no chão, como sempre, entre as pernas da cadeira, e me arrasto atrás da cadeira de minha mãe porque não gosto da música que ela está cantando e não quero que ela veja como isso me afeta. Ela canta: "Au clair de la lune; Mon ami, Pierrot; Prête-moi ta plume; Pour écrire un mot".
Então as vogais escurecem ameaçadoramente. A voz da minha mãe se aprofunda dramaticamente, como se ela estivesse cantando em um teatro. Essa era a parte da música que eu mais detestava, não apenas porque sabia que era triste, mas porque minha mãe estava deliberadamente (e de maneira injusta, pensei) tornando-a mais triste: "Ma chandelle est morte; Je n'ai plus de feu; Ouvre-moi la porte; Pour l'amour de Dieu."
Eu sabia, a partir de uma explicação anterior, que a música era sobre alguém (uma garotinha, pensava) que estava com frio porque sua vela e seu fogo haviam se apagado. Ela foi até outra pessoa (um garotinho, pensava) e pediu que ele a ajudasse, pelo amor de Deus. Ele disse não. Parecia uma perfeita crueldade gratuita para mim.
Em sua peça de 1957, Bad Seed: Uma peça em dois atos, Maxwell Anderson e William March escrevem: "Alguns dias depois, no mesmo apartamento. A sala está vazia: Rhoda está praticando 'Au Clair de la Lune' no piano da sala. "

Ligações externas

  • Ouça a gravação de 1931 de Yvonne Printemps .
  • Possivelmente a letra original em francês
Categoria:Canções do século XVIII
Categoria:Lua na ficção
Categoria:Canções de ninar
Categoria:Canções em francês
Categoria:!Artigos com microformatos hAudio
 
Comentários

Ainda não há comentários




visto pela última vez
a maioria das visitas