Today: Tuesday 22 June 2021 , 2:04 am


advertisment
search




Pruitt-Igoe

Ultima atualização 1 Month , 9 Day 3 Visualizações

Advertisement
In this page talks about ( Pruitt-Igoe ) It was sent to us on 14/05/2021 and was presented on 14/05/2021 and the last update on this page on 14/05/2021

Seu comentário


Coloque o código
  {{Info/Estrutura altanome=Pruitt-Igoeimagem=Pruitt-Igoe-overview.jpglegenda=Aspecto do complexo.ano_maior=ano_final=plural=precedido=ultrapassado=localização=border20px St. Louis
coordenadas=status=Demolidopedra_fundamental=construído=completagem_est=abertura=1955demolido=1972-1976destruído=uso=Residencialantena=telhado=último_andar=andares=11contagem_elevador=custo=área=230 mil metros quadradosarquiteto=Minoru Yamasakiengenheiro=contratante=desenvolvedor=proprietário=gestor=referências=estilo=Moderno
O Pruitt-Igoe foi um complexo residencial urbano desenvolvido entre 1954 e 1955 na cidade de St. Louis, no Missouri, Estados Unidos. Seu nome vem da configuração inicial dos edifícios, que eram dois complexos chamados Wendell Olliver Pruitt Homes e William Leo Igoe Apartments.Checkoway, p. 245 Logo após sua conclusão, as condições de vida em Pruitt-Igoe começaram a entrar em decadência, e na década de 1960, a área estava em extrema pobreza, com altas taxas de criminalidade e segregação, o que provocou a reação da mídia internacional ao declínio do bairro. O conjunto foi projetado pelo arquiteto Minoru Yamasaki, que também projetou as torres do World Trade Center.
Todos os 33 prédios foram demolidos com explosivos em meados dos anos 1970Mendelssohn, Quinn, p. 163, e o projeto se tornou um símbolo de renovação urbana e planejamento de políticas públicas. As dimensões do fracasso de Pruitt-Igoe, provocaram um intenso debate sobre a política de habitação pública. O projeto Pruitt-Igoe foi uma das primeiras demolições de edifícios arquitetônicos modernos e sua destruição foi descrita pelo arquiteto paisagista, teórico e historiador de arquitetura Charles Jencks como "o dia em que a arquitetura moderna morreu"Jencks, p.9. O material gravado da demolição foi incluído no filme Koyaanisqatsi, de Godfrey Reggio, com música de Philip Glass, que compôs uma peça de oito minutos que recebeu o nome do projeto.

Antecedentes

Durante as décadas de 1940 e 1950, a cidade de Saint Louis, restrita por seus limites estabelecidos em 1876, era "um lugar lotado"; em um sentido clássico, parecia e parecia uma verdadeira grande cidade... como se fosse tirada de um romance de Charles Dickens.Larsen, Kirkendall, p. 60 Seu inchaço urbano tornou-se dramático durante o período entreguerras e a Segunda Guerra Mundial. Mais de 85.000 famílias viviam em apartamentos do século XIX e um estudo oficial em 1947 revelou que 33.000 famílias ainda tinham banheiros comunitários. Residentes de classe média, principalmente brancos, estavam deixando a cidade e suas antigas casas eram ocupadas por famílias de baixa renda. Os bairros negros (ao norte) e brancos (ao sul) da parte antiga da cidade segregaram e se expandiram, ameaçando engolir o centro da cidadeBristol, p. 353. Para salvar as propriedades do centro de uma desvalorização iminente, as autoridades de St. Louis iniciaram um redesenvolvimento do "anel central" ao redor do distrito de negócios. A decadência foi tão profunda que a gentrificação dos imóveis existentes foi considerada impraticável.
Em 1947, os planejadores de St. Louis propuseram a substituição do bairro negro de DeSoto-Carr, por dois e até três novos blocos de edifícios residenciais e um parque público. No entanto, o plano não foi finalmente implementado. Em vez disso, o prefeito democrata Joseph Darst, eleito em 1949, e os líderes republicanos do estado, optaram pela limpeza total das favelas e sua substituição por habitações públicas de alta densidade. Eles explicaram que os novos projetos criariam um resultado líquido positivo para a cidade através de maiores receitas, novos parques, áreas de recreação e espaços comerciais. Em 1948, os eleitores rejeitaram a proposta de um empréstimo municipal para financiar a mudança, mas logo a situação mudou com a Housing Act (Lei de Habitação) de 1949 e as leis do estado de Missouri que forneciam um co-financiamento de projetos habitacionais públicos. A abordagem feita por Darst, de renovação urbana, foi compartilhada pela administração de Harry S. Truman e prefeitos de outras cidades, oprimidos pelos trabalhadores industriais recrutados durante a guerra.Larsen, Kirkendall, p. 61 Em particular, a Saint Louis Land Clearance and Redevelopment Authority ("Autoridade de Limpeza e Redesenvolvimento das Terras de St. Louis") foi autorizada a adquirir e demolir os bairros menos favorecidos do anel central e, assim, vender o terreno a preços mais baixos para promotores privados, incentivando o retorno da classe média e o crescimento do setor empresarial. Outra agência, a Saint Louis Housing Authority ("Autoridade de Habitação de Saint Louis"), teve que limpar a terra com o objetivo de construir habitação pública para a antiga população dos bairros mais pobres.
Em 1950, St. Louis já havia obtido um compromisso federal para financiar 5.800 unidades de habitação pública.Bristol, p. 354 O primeiro grande projeto deste tipo na cidade, Cochran Gardens, foi concluído em 1953 e foi destinado a brancos de baixa renda. Consistia de 704 habitações dispostas em doze grandes edifícios e sua continuação foi Pruitt-Igoe, Darst-Webbe e Vaughan. Pruitt-Igoe destinava-se a jovens brancos e negros de classe média, isolados em diferentes edifícios; enquanto Darst-Webbe teria como alvo inquilinos brancos de baixa renda. A Habitação Pública no Missouri manteve a segregação racial até 1956.Larsen, Kirkendall, p. 62

Projeto e construção

miniaturadaimagem413x413pxConcepção para um corredor comum do Pruitt-Igoe.
Em 1950, a cidade contratou a empresa Leinweber, Yamasaki & Hellmuth para projetar Pruitt-Igoe, um novo desenvolvimento urbano. O nome do complexo veio de Wendell Olliver Pruitt, um piloto afro-americano natural de St. Louis que lutou na Segunda Guerra Mundial, e William Leo Igoe, ex-congressista estadunidense.Sisson, p. 1237 Em princípio, a cidade planejou duas divisões: as habitações do Capitão W.O. Pruitt para residentes negros e os apartamentos William L. Igoe para brancos.Hall, p. 256 A área era limitada pela Avenida Cass ao norte, a Avenida North Jefferson Avenue a oeste, a Rua Carr ao sul e a Rua North 20th ao leste. O complexo foi construído no bairro de DeSoto-Carr.
O projeto foi feito pelo arquiteto Minoru Yamasaki, que mais tarde projetaria o World Trade Center em Nova Iorque. Este foi o primeiro grande trabalho de Yamasaki, conduzido sob a supervisão e restrições impostas pela Public Housing Authority (PHA, "Autoridade de Habitação Pública"). A proposta inicial consistia em uma mistura de edifícios altos, médios e baixos. Foi aceito pelas autoridades de St. Louis, mas excedeu os limites do orçamento federal impostos pela PHA. A agência interveio e impôs um edifício uniforme de onze andares. A escassez de materiais causada pela Guerra da Coreia e as tensões no Congresso aumentaram o controle da PHA.
miniaturadaimagem413x413pxO Pruitt-Igoe e seu entorno.
Em 1951, a Architectural Forum elogiou a proposta original de Yamasaki e chamou-a de "o melhor apartamento em altura" do ano. A densidade total foi estabelecida em um nível moderado de 50 unidades por acre (maior que nos bairros pobres do centro), e ainda, de acordo com os princípios de planejamento de Le Corbusier e do Congresso Internacional de Arquitetura Moderna, os edifícios foram organizados em onze andares, numa tentativa de alocar os jardins e o térreo para áreas comunsNewman, p. 10. Architectural Forum descreveu o design como "bairros verticais para pessoas pobres". Supunha-se que cada fileira de edifícios seria flanqueada por "um rio de árvores", de acordo com o desenvolvimento de uma ideia por Harland Bartholomew. No entanto, parques e áreas de recreação não eram adequados; as áreas de recreação só foram adicionados depois que os proprietários pressionaram pela sua instalação.
Com a sua conclusão em 1955, Pruitt-Igoe consistia, então, em 33 edifícios de onze andares cada um em uma área de 23 hectares localizada no norte de St. Louis. O complexo abrigava 2.870 apartamentos, tornando-se um dos maiores dos Estados Unidos. Os apartamentos eram extremamente pequenos, tendo cozinhas mínimas. Os elevadores suspensos pararam apenas no primeiro, quarto, sétimo e décimo andar, forçando os vizinhos a usar as escadas na tentativa de descongestionar o uso do elevador. Os andares térreos eram equipados com grandes corredores, lavanderias, salas comuns e canos de lixo. No entanto, escadas e corredores atraíram assaltantes. O sistema de ventilação era ruim e não havia ar-condicionado.
Apesar dos cortes iniciais do governo federal, o custo final de Pruitt-Igoe subiu para 36 milhões de dólares, 60% acima da média nacional de habitação pública na época. Os conservadores atribuíram os custos excessivos aos salários inflacionados devido à influência dos sindicatos, que também levaram à instalação de um sistema de aquecimento caro; esses custos extras levaram a uma série de cortes arbitrários em outras partes essenciais dos edifícios.
Apesar disso, Pruitt-Igoe teve, no início, boas críticas, pois foi visto como um avanço na renovação urbana. Apesar da má qualidade dos edifícios, os fornecedores de materiais fizeram referência ao Pruitt-Igoe em seus anúncios, aproveitando a exposição nacional do projeto urbano.
miniaturadaimagem256x256pxO complexo em 1968.

Decadência

miniaturadaimagem255x255pxJanelas quebradas do decadente Pruitt-Igoe, que, abandonado, tornou-se alvo de vândalos.
Uma decisão de 1956 da corte do Missouri acabou com a política de segregação racial no estado e o novo complexo de edifícios, agora integrado sob o nome Pruitt-Igoe, foi habitado principalmente por inquilinos negros. Os brancos decidiram não fazer parte do bairro novo e inclusivo.Hoffmann
Os edifícios permaneceram desabitados durante anos, embora diferentes fontes diferem em termos de níveis de despovoamento: de acordo com Newman, a ocupação nunca excedeu os 60%; enquanto Ramroth afirmou que a desocupação foi de um terço em 1965Ramroth, p. 165. Apesar disso, todos os autores concordam que no final da década de 1960 Pruitt-Igoe estava em um estado avançado de negligência e deterioração, transformando o bairro em foco de decadência, insegurança e criminalidade. O arquiteto do complexo lamentou essa situação: "Nunca pensei que as pessoas fossem tão destrutivas"Patterson, p. 336. Em 1971, Pruitt-Igoe abrigava apenas seiscentos pessoas em dezessete edifícios; os outros dezesseis foram abandonados.Larsen, Kirkendall p. 63 Enquanto isso, o vizinho bairro de Carr Village, de composição demográfica semelhante, permaneceu totalmente ocupado e sem problemas durante a construção, ocupação e declínio do Pruitt-Igoe.Newman, p. 11
Apesar do declínio das áreas públicas e da violência de gangues, Pruitt-Igoe manteve um relativo bem-estar durante seus piores anos. Os próprios inquilinos trabalhavam e limpavam as áreas comuns e, muitas vezes, funcionava. Mas quando os corredores foram divididos por vinte famílias e as escadas por centenas, os espaços públicos caíram, portanto, em decadência. Ninguém se identificava mais com aquelas "terras de ninguém" - onde era "impossível sentir... distinguir um vizinho de um intruso"-.
Os habitantes de Pruitt-Igoe criaram uma associação de vizinhos, dando origem a pequenas associações comunitárias, como, por exemplo, a criação de habitações de artesãos. Estas habitações permitiram que as mulheres de Pruitt-Igoe conhecessem, socializassem e criassem elementos decorativos, colchas e estátuas e depois as vendessem.

Demolição


miniaturadaimagem634x634pxA segunda e amplamente televisionada demolição de um prédio do Pruitt-Igoe em abril de 1972, que se seguiu à demolição de 16 de março.
Em 1968, o Departamento Federal de Habitação começa a incentivar os moradores remanescentes de Pruitt-Igoe a deixar o bairroRamroth, p. 171.
Em dezembro de 1971, autoridades estaduais e federais concordaram em demolir dois dos prédios de Pruitt-Igoe. Eles esperavam que uma redução progressiva da população nos edifícios pudesse melhorar as condições. Naquela época, Pruitt-Igoe já havia consumido US$ 57 milhões, um investimento que não poderia ser abandonado. Diferentes possibilidades foram consideradas para tentar reabilitar Pruitt-Igoe, entre as quais a conversão para edifícios mais baixos foi incluída, reduzindo-os a quatro plantas em uma reorganização "horizontal" do projeto.Leonard
Após meses de preparação, o primeiro edifício foi demolido por detonação controlada às 15h em 16 de março de 1972. O segundo prédio foi demolido em 22 de abril de 1972. Após várias operações de detonação realizada em 15 de julho do mesmo ano, a primeira etapa da demolição concluída. O governo federal descartou qualquer plano de reabilitação e Pruitt-Igoe agonizou por mais três anos, tendo o resto do complexo sendo demolido nesse período. O local foi finalmente limpo em 1976. Hoje, o espaço em que o complexo urbano estava localizado é parcialmente usado pela Escola de Ensino Médio Gateway e Escola Básica Gateway, bem como a Escola Militar Pruitt Military Academy; todos estão dentro do distrito de escolas públicas de St. Louis. O resto da terra foi plantado com árvores. O antigo bairro de DeSoto-Carr que rodeava Pruitt-Igoe também foi demolido e substituído por residências unifamiliares de menor altura.

Legado

As razões pelas quais Pruitt-Igoe falhou são complexas. Geralmente tem sido apresentado como uma falha puramente arquitetônica.Bristol, p. 352 Outros críticos atribuíram isso a fatores sociais como o declínio econômico de St. Louis, a marcha dos brancos para a periferia da cidade, e politizaram a oposição local aos planos habitacionais do governo. A verdade é que o caso de Pruitt-Igoe é mostrado como um exemplo a ser estudado em arquitetura, sociologia e política: "um embotamento no ambiente e no comportamento da literatura", ao ponto de a história que cerca o Pruitt-Igoe é cheio de mal-entendidos e equívocos.
Frequentemente, Pruitt-Igoe é apresentado como um projeto inovador que não funcionou na prática, mas em termos de prêmios por seu design.Pipkin, p. 232Jencks, 9 No entanto, ele nunca ganhou nenhum prêmio profissional que não fosse um reconhecimento de "Melhor Edifício de Apartamentos" da Architectural Forum - sendo que a própria revista declarou o fracasso do projeto em 1965.Bristol, p. 359. Por exemplo, um projeto anterior feito em St. Louis pelos mesmos arquitetos, Cochran Gardens, recebeu dois prêmios.Bristol, p. 359 Katherine G. Bristol afirma que este erro voluntário dos críticos foi parte de uma manobra geral para culpar os fracassos da habitação pública do estilo internacional, aparentemente insensível à sociedade do mundo real e à reavaliação da arquitetura moderna a partir da década de 1970. {{citarA cidade de arquitetura moderna, como a construção psicológica e modelo físico, é uma experiência tragicamente absurda ... A cidade de Le Corbusier, a famosa cidade dos CIAM e divulgada pela Carta de Atenas; a antiga cidade da libertação é cada dia mais inadequada.
Charles Jencks, cuja frase "A arquitetura moderna morreu em St. Louis, Missouri, em 15 de julho de 1972, às 15h32", se referindo a demolição, ficou famosa, foi um dos críticos que se referiu aos prêmios inexistentes concedidos pelo Instituto Americano de ArquitetosJencks, 9, e usou Pruitt-Igoe como um exemplo das perigosas intenções modernas que são contrárias ao desenvolvimento social do mundo real.Jencks, 9 Essa ideia ignora o fato de que a situação, a densidade populacional, as limitações de custo e até mesmo o número de andares dos edifícios foram impostos pelas autoridades estaduais e federais.Bristol, p. 360

Cultura popular

O filme Koyaanisqatsi, de Godfrey Reggio, tem uma sequência chamada "Pruitt-Igoe", que contém várias imagens de projetos habitacionais em ruínas, incluindo imagens da decadência e demolição do projeto habitacional de Pruitt-Igoe. A sequência termina com imagens da demolição de vários prédios, dentre eles, o Edifício Mendes Caldeira em São Paulo. A sequência, como todo o filme, possui uma música composta por Philip Glass - a desse trecho é também chamada Pruitt-Igoe e já foi usada em outras mídias, como, por exemplo, no filme de 2009 Watchmen.Gold, p. 63

Bibliografia

Ligações externas


  • Fotos do Pruitt-Igoe - Universidade do Missouri–St. Louis (em inglês)

  • Categoria:Arquitetura modernista nos Estados Unidos
    Categoria:Edifícios demolidos nos Estados Unidos
    Categoria:História do urbanismo
     
    Comentários

    Ainda não há comentários




    visto pela última vez
    a maioria das visitas